A inimiga imaginária chega e…

Eis que de repente tudo o que você faz parece não ser bom o bastante. E tudo aquilo que você diz parece não ter relevância alguma. Cada esforço não tem um pingo de importância sequer.
 
Num pequeno instante depois as pessoas aparentam não estar nem aí para você. É como se você gritasse por ajuda e ninguém te ouvisse. Igual àqueles pesadelos em que você tenta falar ou correr, mas não sai do lugar.
 
Você perde o sono, desconfia da própria sombra, sente vontade de xingar e, minutos depois, chora por perceber que criou todas essas situações.
 
— Impostor, malquisto, imperfeito, malvisto.
Fonte: sua cabeça.
 
Como não confiar nessa safada que está contigo desde o nascimento? Simples, não confiando.
Aprenda a conviver com ela, mas faça terapia, viva um dia de cada vez, busque ajuda, extravase da melhor forma… Peça ajuda, mas não deposite todas as suas expectativas nos outros, nem sempre eles sabem ou entendem o que você está passando.
 
É dolorido, mas tem jeito. Pode parecer que não, mas tem. Não desiste de você assim não, cara! Volte aqui para ler isso sempre que precisar. E não tem problema que tenha sido você mesmo o autor do texto. Até logo!

Publicado por

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s